• pt-br
  • en

Como a automação melhora o controle de qualidade no setor alimentício?

O avanço tecnológico tem proporcionado mudanças profundas no setor industrial, onde até mesmo o controle de qualidade no setor alimentício tem ganhado novas características. E isso é muito bom para a empresa e os consumidores.

A automação industrial é um passo consolidado no chão de fábrica de muitas empresas, e o segmento de alimentos segue as tendências tecnológicas a passos largos, trazendo mais qualidade e eficiência aos processos, e segurança para colaboradores e consumidores.

Mas, antes de tudo, é preciso entender que a Quarta Revolução Industrial está em andamento, promovendo o setor a um novo patamar: a Indústria 4.0.

Na prática, esses são sistemas tecnológicos que estão se adaptando à nova realidade, incluindo:

  • Computação em nuvem;
  • Inteligência artificial;
  • Internet das Coisas;
  • Robótica.

Isso ocorre em todo o território nacional, acompanhando as tendências que surgem também no mercado internacional.

A produção industrial está tomando um novo formato, em que a automação está abrangendo diferentes tecnologias, em um avanço que não tem fim, o que traz diversas oportunidades.

A ideia principal dentro da configuração que se trata a Indústria 4.0 altera o formato dentro da linha de produção, além de implementar modelos de negócios que visam um espectro mais abrangente e dinâmico.

Os computadores e as máquinas industriais são empregadas para inovar os diferentes setores produtivos, promovendo a eficiência e elevando o nível de qualidade dos produtos e serviços.

A customização dos espaços de trabalho também é uma vertente que pode ser observada, principalmente quando se trata da produção de alimentos que envolvem o trabalho no campo.

Ou seja, legumes, verduras, frutas e carnes, das mais variadas, passam por tratamentos automatizados que garantem produtos de qualidade que chegam à mesa dos consumidores.

Gestão automatizada sobe nível de qualidade

A montagem industrial empregada nas linhas de controle e produção de alimentos seguem um planejamento estratégico de funcionamento que visa a produtividade em larga escala.

O projeto é desenvolvido de maneira personalizada, atendendo às finalidades da empresa, seguindo a missão, a visão e os valores corporativos.

A implementação de automação pneumática industrial promove melhor aproveitamento do abastecimento energético, a partir da eletricidade de concessionárias públicas e privadas.

A presença de produção de energia inesgotável, como a eólica ou solar, também atende às premissas de fábricas modernas, que visam menor impacto ambiental.

Dentro do escopo de cada empresa presente no segmento alimentício, as máquinas modernas realizam trabalhos repetitivos e robotizados.

Assim, utilizando tecnologia atualizada, é possível observar que os materiais são produzidos de maneira uniforme, com captura de falhas e sua redução, além do descarte imediato.

Dessa forma, é possível estabelecer um padrão de qualidade exigido por órgãos fiscalizadores, como a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e o Código de Defesa do Consumidor. Além de atender às demandas dos consumidores.

Padronização reduz erros na linha de produção

O controle de qualidade é essencial para que a produtividade de uma empresa do setor industrial alimentício possa atender a demanda de forma excelente, mantendo uma produção constante e de qualidade, preservando a saúde do consumidor.

A segurança alimentar não pode ser ameaçada em nenhum momento e, por isso, a automação é essencial em todos os pontos e deve ser feita de forma qualificada.

Desde a chegada da matéria-prima até a distribuição para o mercado consumidor, tudo deve ser acompanhado com procedimentos tecnológicos.

Até mesmo em fabricantes nobreak passa por procedimentos que dependem de maquinários e equipamentos automatizados, como:

  • Climatização de ambiente;
  • Descontaminação de escadas e elevadores;
  • Higienização de equipamentos;
  • Protocolos de acesso de funcionários.

As soluções propostas são exemplos que podem ser aplicados dentro de uma fábrica de alimentos, qualquer que seja o segmento atendido.

A presença de equipamentos que permitem o rastreamento dos produtos é uma exigência da ANVISA e outros órgãos relacionados ao setor industrial em questão.

Assim, a validade é empregada de forma visível, assim como o acondicionamento em locais apropriados.

Até mesmo o transporte deve ser ponto de verificação e controle, para garantir que todo o trajeto após o fim da linha de produção atenda às exigências demandadas pelos órgãos competentes e a qualidade dos produtos e embalagens não sejam comprometidos.

Monitoramento constante para emissão de relatórios

A automação industrial é operada por profissionais capacitados, identificando possíveis consertos e manutenções periódicas nas máquinas e equipamentos instalados para manter a linha de produção em pleno funcionamento.

As empresas que disponibilizam escritórios para o setor administrativo contam com consultoria totvs protheus, ou seja, sistemas ERP que permitem a produção de relatórios para que possam facilitar o acompanhamento dos processos.

Sendo assim, o controle de qualidade pode ser identificado em caso de fiscalização, com todos os documentos registrados, anotados e guardados em lugar seguro.

Essa é uma parte burocrática que precisa ser realizada, de acordo com a legislação vigente, mas que também pode ser aprimorada pela tecnologia.

Além disso, o monitoramento por parte dos profissionais que ocupam esse posto deve ser de acordo com a capacitação técnica para controle interno.

Setor de embalagens envolve terceiros

Outro ponto que é muito importante dentro do segmento da indústria alimentícia se trata das embalagens dos bens de consumo.

Em diferentes formatos, com propriedades naturais únicas, as fábricas precisam contar com parcerias empresariais, ou então desenvolver uma tecnologia que inclui a automação dentro da linha de processamento dos produtos.

Os produtos que precisam de uma climatização adequada, principalmente quando se trata de bens de consumo refrigerados, a formalização de parcerias pode ser fundamental para o controle de qualidade industrial.

O contato com uma fábrica de unidades de uso sustentável para o setor alimentícia pode ser o modelo ideal em determinados segmentos, pois é possível atingir um público consumidor que compra no atacado.

No entanto, o setor varejista é amplo e deve ser atendido de maneira apropriada. Com a implementação de máquinas automatizadas, as embalagens são produzidas de acordo com as capacitações técnicas exigidas pelo produto.

Vale lembrar que, para isso, há laboratórios industriais que desenvolvem pesquisas e estudos que permitem chegar a um consenso adequado quanto ao invólucro do bem de consumo que sai da linha de produção.

Distribuição automatizada ajuda na armazenagem

Os centros de distribuição de uma fábrica dedicada aos bens de consumo alimentícios precisam passar por um controle de qualidade e eficiência que demanda um ambiente limpo e arejado.

A organização espacial é primordial para que os produtos possam ser armazenados de acordo com a capacidade da área, desde que não provoquem alterações nos produtos fabricados.

Para garantir um espaço apropriado, muitas empresas adaptam a prensa enfardadeira preço de investimento baixo em relação aos benefícios promovidos.

Com esse equipamento é possível empregar a automação de materiais de refugo, destinando elementos que podem ser direcionados a empresas de sucata e reciclagem.

A disposição desse tipo de equipamento em um centro de distribuição faz a diferença no controle de qualidade, inclusive, na qualidade de vida dos funcionários e colaboradores terceirizados.

Setor alimentício valoriza questões ambientais

Além do elemento humano que não pode ser desprezado em momento algum, mesmo quando se trata da automação industrial 4.0, às questões ambientais também precisam fazer parte do planejamento de qualquer indústria, seja qual for o segmento em que atua, seja na fabricação de camara fria cervejeira ou plantações,

O setor agropecuário, por exemplo, é responsável pela criação de gado e fornecimento de matéria-prima para as mais diversas indústrias.

Para garantir um controle de qualidade de excelência, muitas empresas exigem dos fornecedores um inventário florestal metodologias e técnicas utilizadas para a criação dos animais e o relacionamento com a natureza.

É uma maneira de demonstrar à sociedade em entregar um produto de qualidade, respeitando a legislação ambiental vigente e o próprio trato com os animais.

Profissionais precisam de capacitação tecnológica

As equipes de trabalho que atuam no setor industrial alimentício são responsáveis pelo abastecimento de boa parte da população nacional e, em determinados segmentos, até mesmo para consumo internacional.

Dessa forma, é preciso que toda mão de obra terceirizada em Fortaleza, ou qualquer outra cidade ou estado em que atua, precisa ter capacitação profissional e tecnológica para acompanhar a evolução das máquinas e equipamentos utilizados no dia a dia, mantendo a qualidade produtiva e segurança de todos.

A qualidade dos produtos pode estar relacionada com a automatização industrial 4.0, porém há parte humanizada que é responsável por diversos setores que atuam no controle interno e na manutenção de maquinários em uma linha de produção.

Benefícios da automação alcançam consumidor final

O setor industrial alimentício é responsável por grande parte da transformação de matéria-prima em bens de consumo que chegam às mãos dos consumidores.

Economicamente falando, é um dos principais reguladores inflacionários, e a tecnologia da indústria 4.0 permite diversas oportunidades quando se trata de automação dentro do ambiente produtivo.

Entre os principais benefícios está o menor desperdício e melhor aproveitamento de matéria-prima, conforme a fonte de abastecimento das linhas de produção.

As melhorias proporcionadas pela tecnologia avançada promovem mudanças profundas em uma planta fabril, gerando ganho na produtividade, na eficiência, na qualidade e, ainda, nos dividendos.

Quando esses produtos chegam ao alcance do consumidor, ele pode usar uma chapa quente eletrica preço para preparar um queijo quente, ou qualquer outro tipo de sanduíche, com diversos produtos que saíram das fábricas alimentícias.

Portanto, toda a implementação da automação dentro da indústria alimentícia deve atender às finalidades e objetivos de manufatura e transformação da matéria-prima em produto final.

Aos gestores cabe identificar os entraves produtivos, realizar análises precisas sobre a otimização industrial e implementar soluções que permitam, passo a passo, alcançar o sucesso que se permite a evolução tecnológica dentro do controle de qualidade e indo além das possibilidades.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.